Saiba mais sobre a cirurgia laparoscópica

23ago

A cirurgia laparoscópica é também conhecida como cirurgia minimamente invasiva, cirurgia com pequenas incisões, cirurgia videolaparoscópica e cirurgia por vídeo.

Neste post, nós iremos trazer mais informações sobre essa técnica: em quais casos ela é indicada, vantagens e recuperação após o procedimento estão entre os temas que serão abordados. Continue a leitura!

Qual a origem e os marcos sobre a cirurgia laparoscópica?

A palavra “láparos” vem de origem grega e significa abdômen e “skopies” significa observar. Logo, laparoscopia nada mais é do que visualizar, observar a cavidade abdominal e pélvica através do auxílio de uma ótica de aumento.

Trata-se de uma intervenção na qual são feitos pequenas incisões no paciente, com o propósito de introduzir uma lente de aumento (ótica – laparoscópio) e demais instrumentos.

O seu surgimento dessa técnica e teve foi possível graças as pequenas invenções, que você confere logo abaixo:

  • Hopkins desenvolveu um sistema de lentes ópticas, o laparoscópio moderno.
  • Um sistema de produção de luz fria fez com que a iluminação das cavidades orgânicas fosse mais segura.
  • Transmissão de imagens por fibras ópticas.
  • Transmissão de imagens à distância, televisão.
  • Desenvolvimento de micro câmeras de televisão, fáceis de manipular por sua leveza, transmitindo imagens de excepcional qualidade.

A junção e o desenvolvimento dessas invenções fizeram com que surgisse a cirurgia laparoscópica bastante utilizada pelos médicos atualmente e que traz muitos benefícios aos pacientes.

Com quais propósitos a videolaparoscopia é realizada?

Até pouco tempo atrás, o laparoscópio era usado apenas para fazer diagnósticos ou fazer retiradas de pequenos fragmentos de tecidos para análise (biópsias). Com o avanço tecnológico, a laparoscopia moderna e avançada é utilizada para realização dos mais diversos tipos de procedimentos, desde os mais simples aos mais complexos.

Em outras palavras, o termo videolaparoscopia, hoje em dia, é aplicável tanto a um procedimento diagnóstico quanto para uma técnica cirúrgica. Na prática, isso significa que a intervenção pode ser realizada tanto para descobrir a causa de um problema quanto para tratá-lo.

Em quais situações a videolaparoscopia é indicada?

A videolaparoscopia – quando bem indicada e executada por equipe capacitada – é muito melhor para o paciente. Na ginecologia, é um dos métodos diagnósticos utilizados para investigação e confirmação da endometriose.

Todavia, enquanto exame, a solicitação de videolaparoscopia só costuma ser feita quando outros procedimentos considerados ainda menos invasivos – como a ressonância magnética ou a ultrassonografia transvaginal – são inconclusivos.

A videolaparoscopia também ajuda a descobrir as causas de dores crônicas na região do abdômen, cuja origem é desconhecida. O exame também pode ser prescrito em caso de suspeita de gestação ectópica, quando a gestação ocorre fora do útero.

Já com propósito cirúrgico, a videolaparoscopia é indicada para o remoção de focos de endometriose, lesões no útero ou retirada de miomas e prolapsos uterinos, além de ser um dos métodos para realizar a laqueadura, cirurgia de esterilização da mulher.

Por outro lado, esta não é uma intervenção exclusivamente ginecológica, uma vez que que pode ser executada por outras especialidades, para tratar, por exemplo, de problemas na vesícula, no apêndice ou nas articulações.

Como é realizada a videolaparoscopia?

Para entender como é realizada a laparoscopia, é importante conhecer melhor a anatomia do abdômen. Nesta região, todos os órgãos encostam-se uns nos outros, o que constitui uma cavidade abdominal virtual.

Uma das primeiras ações realizadas pela equipe médica é a introdução de um equipamento chamado laparoscópio, uma lente de luz fria, que transmite imagens claras, através de um sistema de fibras ópticas, para um monitor de vídeo utilizado pelo cirurgião.

A esse respeito, alerta-se para a necessidade de distensão da cavidade abdominal para permitir a inserção do laparoscópio com segurança.  Visando atingir esse objetivo, é feita a introdução do gás carbônico (CO2) que serve para separar os órgãos e também facilitar a visualização pela equipe médica.

Durante a intervenção, o paciente recebe anestesia geral, e é realizada uma pequena incisão, normalmente nas proximidades do umbigo. Se houver necessidade, são realizados outros pequenos cortes para permitir a passagem de outros instrumentos cirúrgicos que, embora seja, similares aos utilizados nas intervenções convencionais, se caracterizam por sua extrema delicadeza.

Com isso, o cirurgião consegue avaliar e executar perfeitamente o procedimento de maneira segura e assertiva.

Quais os benefícios da laparoscopia?

Entre as diferentes opções de tratamento cirúrgico para endometriose, a videolaparoscopia é, ao lado da cirurgia robótica, uma das intervenções que mais oferece benefícios à paciente.

A paciente sente menos dor pós-operatória, pois as incisões cirúrgicas são pequenas (consequentemente diminuindo o tempo de permanência hospitalar): na prática, isso se converte, efetivamente, em uma redução sensível das taxas de sangramento.

Além disso, também constatou-se uma queda na incidência de infecções e dos níveis de dor no período pós-operatório. Em um contexto mais amplo, todos esses fatores aceleram o processo de recuperação, bem como a retomada das atividades cotidianas.

Existem contraindicações para a videolaparoscopia?

Apesar de todas as suas vantagens, há algumas situações nas quais a videolaparoscopia é contra-indicada. Essa recomendação se aplica a portadores de obesidade mórbida, ou quem no outro extremo, encontra-se em estágio avançado de debilidade.

Da mesma maneira, esse tipo de intervenção deve ser evitado sempre que haja algum impedimento para a aplicação de anestesia geral, portadores de câncer na região do abdômen, obstrução intestinal ou peritonite. Mulheres que estejam na fase final de gestação também integram o grupo de risco.

Vale esclarecer também que, como qualquer outro procedimento, a videolaparoscopia envolve riscos, muito embora eles sejam minimizados quando o procedimento é conduzido por profissionais com experiência.

Entre as eventuais complicações estão eventuais hemorragias, capazes de acometer órgãos e estruturas importantes, como fígado ou baço, além do risco de perfuração e incidências de infecções no período pós-operatório.

Todavia, antes de tomar qualquer decisão, tire todas as suas dúvidas com a equipe médica. Após uma avaliação, você irá perceber que as vantagens são superiores aos possíveis riscos.

Agora que nós já falamos sobre os principais aspectos que envolvem a videolaparoscopia, esperamos que você deixe de lado o seu medo de tratar a endometriose. Nossa equipe oferece aos pacientes um atendimento individualizado, acompanhando-os em todas as etapas do tratamento. Até a próxima!