FIV: antes ou depois da cirurgia de tratamento da endometriose?

26jul

O desejo de ser mãe é um fator determinante a ser considerado pelo especialista na hora de decidir quais os procedimentos mais adequados para tratar os focos de endometriose.

Nos casos em que a doença se encontra em estágio avançado, a cirurgia por videolaparoscopia apresenta os melhores resultados. Da mesma maneira, é possível que a Fertilização In Vitro (FIV) torne-se a única alternativa para as mulheres com endometriose profunda que desejam ter filhos.

Mas afinal de contas é melhor se submeter a FIV antes ou depois da cirurgia de endometriose? É o que vamos explicar neste texto, mas antes, entenda como a endometriose pode levar a infertilidade.

Como a endometriose favorece a infertilidade?

Via de regra, a endometriose favorece a infertilidade quando leva a um comprometimento de importantes estruturas que fazem parte do sistema reprodutor feminino.

Na prática, isso significa que não é possível determinar a localização exata de cada órgão, uma vez que as aderências fazem com que eles se juntem, como se estivessem unidos por uma cola.

Tais alterações anatômicas acabam inviabilizando a gestação, especialmente quando levam a obstrução das tubas uterinas; o que impede o encontro entre óvulo e espermatozóide.

Quando e em que casos a FIV é indicada?

A FIV é indicada para as mulheres portadoras de endometriose profunda. O ideal é o procedimento seja realizado após a cirurgia de endometriose. De todo modo, cada caso é avaliado individualmente pela equipe médica, que informara à paciente as alternativas disponíveis.

A opção por realizar primeiro a cirurgia da endometriose se justifica pelo fato de que, durante a FIV, é realizada a estimulação dos ovários. Consequentemente, observa-se uma elevação das taxas de estrogênio – um dos hormônios que age sobre os focos da endometriose– no organismo.

Portanto, mesmo que indiretamente, a ação de hormônios em consequência dos procedimentos da FIV pode se tornar um agravante para pessoas que já apresentem focos de endometriose no intestino ou nas vias urinárias. Não se podem descartar, inclusive, as complicações provocadas por uma obstrução.

E se eu fizer FIV sem tratar a endometriose?

Na comunidade médica, o impacto da endometriose nos resultados da FIV ainda rende discussões: ainda não chegou-se a um consenso. Por outro lado, um estudo de casos permite observar que, nas mulheres portadoras de endometriose ovariana, as chances de sucesso diminuem.

As explicações para essa redução na eficácia podem estar relacionadas a diferentes fatores, como alterações no sistema imunológico, reações inflamatórias, além de piora na qualidade dos óvulos e queda na eficiência da resposta ovariana.

De todo modo, vale a ressalva de que não há indícios de que a endometriose possa prejudicar a implementação do embrião ou provocar malformações genéticas na criança. Também são raros os casos de complicações decorrentes da endometriose na gestação propriamente dita.

Agora que você já sabe é melhor se submeter a FIV antes ou depois da cirurgia de endometriose, entenda quais são os critérios para buscar uma segunda opinião médica e a melhor maneira de se comportar em uma situação como essa. Até a próxima!